Filosofia >

Nicole Bahls, Gerald Thomas e Estupro

• 2319 dias astrás

Quando eu vi a noticia, eu fiquei um pouco pasmo, pois me surpreendeu um diretor cometer um ato desse em público durante uma gravação. Depois desse breve tempo, comecei a ler a noticia para ver se recolhia maiores informações para poder tirar minha conclusão sobre o ocorrido, foi quando eu vi que a reportagem mostrava a publicação da Panicat no twitter depois da gravação:

"Primeiro dia de gravação... Feliz. Agora em casa descansando. Beijo a todos e obrigada pelo apoio. Amo vocês"

A partir desta declaração pude fazer minha primeira constatação, em algum momento há um fingimento por parte da panicat. Ou ela finge que não gosta quando o diretor a assedia ou finge que não aconteceu nada quando publica essa frase no twitter.

Isso é muito simples de identificar, o que me parece, é que ela finge que não aconteceu nada quando publica no twitter, mas isto demonstra uma falta de autoestima por parte dela, pois se fosse uma atriz onde a sua performance artística é mais importante que seu corpo a probabilidade do diretor sair ileso (não no sentido físico) seria mínima, ou seja, ela através desta atitude desvaloriza tudo que tem - menos o seu corpo,  que nos parâmetros atuais é um dos mais bonitos - o que já era óbvio, porém não havia necessidade dela transparecer isso.

A discussão se foi um estupro ou não, é muito simples de se identificar, estupro é um ato sexual (não precisa ser necessariamente penetração) onde não ha consenso de ambas as partes, porém para sabermos se há ou não consenso de uma das partes é necessário que uma das partes alegue que não houve consenso, não é possível se verificar objetivamente, é necessário que a pessoa se pronuncie.

Muitas pessoas são adeptas do sadismo (excitação e prazer na dor do outro) , do masoquismo (excitação e prazer com sua própria dor) ou da combinação dos dois: o sadomasoquismo. E não me interessa o que vocês pensam sobre sadismo ou masoquismo, tem pessoas que gostam, desta forma, não tem como saber se determinado ato sexual é um estupro a não ser que uma das partes o diga.

Não sei se Nicole é masoquista ou não, não me interessa, mas a impressão que eu tenho é que mesmo se ela for, me parece que ela não gostou do ato do diretor. Do meu ponto de vista, seu fingimento se deve ao medo dela perder sua posição na TV pois estas mulheres que vivem de corpo, e não de arte, sabem que a sua vida útil no meio da fama é curta, e me parece que o diretor abusou de sua posição para abusar dela.

Dentro de todas essas minha colocações e suposições - pois não tenho acesso ao que realmente aconteceu e só posso supor - a atitude do diretor foi totalmente antiética e de extremo abuso de poder, e na verdade o que mais me preocupa é que muitos acham que ele está certo.

E no fim de tudo, ela colocou na balança, de um lado o peso do dinheiro e da fama e do outro seu caráter e a luta por maior dignidade das mulheres, mas já sabemos qual lado que pesa mais pra ela.

Mas talvez não, posso estar enganado, e no fundo isso não passou de um golpe de publicidade e cá estou eu, ajudando eles a ganhar dinheiro manchando a imagem da mulher.

E o que nos resta: a dúvida.

Quer ler mais sobre filosofiaciênciaeconomia e história? Acesse o maior portal de filosofia do país, A Filosofia!

Por: Caio Mariani | www.afilosofia.com.br | caio@afilosofia.com.br | Imagem: wallpapers-junction.com

a filosofia | filosofia | nicole bahls | gerald thomas | estupro | nicole diretor | nicole bahls diretor | corpo | abuso sexual | publicidade | nicole estupro