História >

Maurice Mearleau-Ponty - Mente e Corpo

• 2175 dias astrás

A filosofia tida como uma maneira de fugir do óbvio e analisar o mundo eliminando nossos antigos dogmas e suposições cotidianas remonta a antiga Grécia e principalmente Aristóteles. Parafraseando-o: "A Filosofia é um despertar para ver e mudar o nosso mundo."

Ponty era uma da escola da Fenomenologia e, como o pai desta escola Edmund Husserl, ele se interessou em estudar a experiência mental da primeira pessoa eliminando todos os pré-conceitos estabelecidos.
Ele se interessou por experimentos incomuns, e através de uma analise do fenômeno do membro fantasma, que ocorre quando alguém perde algum membro porém continua a sentir sensações nesse membro, concluiu que a nossa experiência mental não é apenas mental, mas também corporal.

Entendia que não há uma separação entre corpo e mente, ele negava a dualidade criada por Descartes, corpo e mente são uma coisa só, porém foi além, dizia que assim como não há uma separação entre corpo e mente também não há uma desconexão entre estes e o mundo são todos partes do mesmo sistema, percebe-se que ele rejeita a visão cartesiana que o mundo é formado por mente e matéria.

Maurice demonstra em sua obra, Fenomenologia da percepção, não apenas a corporeidade da consciência como a intencionalidade do corpo, na verdade, diz que temos que entender que são ambos a mesma coisa.

Porém, para Merleau-Ponty informações físicas são incapazes de nos descrever perfeitamente a experiência da primeira-pessoa.

Existe separação entre corpo e mente, ou entre corpo-mente e realidade externa?

Por: Caio Mariani | www.afilosofia.com.br | caio@afilosofia.com.br  | Imagem: 123rf.com