História >

Immanuel Kant (7)

• 2239 dias astrás

Continuação do artigo: Immanuel Kant (6)

Um grande número de crenças metafísicas falsas surgem das aplicações de intuições e conceitos para a coisa-em-si. Quando a ciência tenta explicar a coisa-em-si, encontra-se confrontando "antinomias" e quando a teologia tenta fazer isso, ele se perde nos "paralogismos". Kant menciona quatro dessas antinomias em sua crítica, que são problemas insolúveis. Por exemplo, considere a idéia de que o mundo teve um começo no tempo, mas o que havia antes do tempo? Não podemos imaginar a condição de nenhum momento. Agora, considere a idéia oposta de que o mundo já existia desde a eternidade. Não podemos pensar na eternidade também. Semelhante é a questão de saber se o espaço é limitado ou infinito. Se o espaço é limitado, então o que está presente além do espaço? E a idéia do espaço infinito é igualmente insatisfatória. Não podemos responder a essas perguntas, porque estamos tentando aplicar a nossa razão para as coisas, no qual não podem ser aplicadas. Espaço e tempo são modos de percepção e não pertencem à realidade externa.

Agora, Kant passa a refutar todas as provas "racionais" da existência de Deus, na tentativa de mostrar que a razão não pode ser usada para provar a existência de Deus. Vimos o argumento ontológico e o argumento cosmológico anterior. Outro argumento é a prova físico-teológica. É o argumento popular de projeto, afirmando que a natureza revela uma harmonia e ordem que só pode ser explicada pela existência do designer divino. Kant considera este argumento com respeito, mas afirma que no seu melhor apenas comprova um arquiteto e não um criador. Esse argumento também não comprova os atributos que estão associados com o conceito de Deus. Por exemplo, ele não prova a unidade de Deus, não prova que os atributos de Deus são de magnitude infinita, não prova que Deus é benevolente, ou que Deus é onipotente e onisciente, etc e não pode ser usado como uma concepção adequada de Deus. Assim, Kant mostrou que a religião não pode ser provada pela razão pura.

Continua no artigo: Immanuel Kant (8)

Quer ler mais sobre filosofiaciênciaeconomia e história? Acesse o maior portal de filosofia do paísA Filosofia!

Por: Caio Mariani | www.afilosofia.com.br | caio@afilosofia.com.br | Imagem: 3.bp.blogspot.com
 
filosofia | immanuel kant | kant | immanuel kant iluminismo | kant iluminismo | immanuel kant filosofia | kant filosofia | filosofia de kant | filosofo immanuel kant | filosofo kant | revolução francesa kant | resumo kant | resumo de kant