Ciência >

Ciência e Filosofia

• 339 dias astrás

A pedra de toque do valor da filosofia como uma visão de mundo e da metodologia é o grau em que esta está interligada com a vida. Esta interligação pode ser direta e indireta, através de todo o sistema de cultura, através da ciência, arte, moral, religião, direito e política. Como uma forma especial de "consciência social", interagindo constantemente com todas as suas outras formas, a filosofia é a sua fundamentação teórica geral e de interpretação.

A filosofia pode desenvolver por si mesma, sem o apoio da ciência? Pode existir ciência sem filosofia? Algumas pessoas pensam que as ciências podem se desvincular da filosofia, que o cientista deve realmente evitar filosofar, esta última é muitas vezes entendida como teorização infundada e geralmente vaga. Se ao termo filosofia é dado uma má interpretação, então é claro que alguém iria concordar com o aviso: "Física, cuidado com a metafísica!" Mas tal aviso se aplica a filosofia no sentido mais elevado do termo. As ciências específicas não podem e não devem quebrar as suas ligações com a verdadeira filosofia.

A ciência e a filosofia sempre aprenderam umas com os outras. A filosofia incansavelmente suga novas forças das descobertas científicas, enquanto que para as ciências, a filosofia que transmite a visão de mundo e impulsos metodológicos de seus princípios universais. Muitas idéias gerais orientadoras que estão na base da ciência moderna foram primeiro enunciadas pela força perceptiva do pensamento filosófico. Um exemplo é a idéia da estrutura atômica das coisas manifestadas por Demócrito. Certas conjecturas sobre a seleção natural foram feitas nos tempos antigos pelo filósofo Lucrécio e mais tarde pelo pensador francês Diderot. Hipoteticamente ele antecipou o que se tornou um fato científico de dois séculos mais tarde. Podemos também lembrar o reflexo cartesiano e a proposição do filósofo sobre a conservação do movimento no universo. A idéia da existência de moléculas como partículas complexas que consistem de átomos foi desenvolvido nas obras do filósofo francês Pierre Gassendi e também da Rússia, Mikhail Lomonosov. 

As mais recentes teorias da unidade da matéria, movimento, espaço e tempo, os princípios da conservação da matéria e do movimento, as idéias do infinito e inexaurível da matéria foram apresentadas de uma forma geral em filosofia .

Além de influenciar o desenvolvimento dos campos especializados do conhecimento, a própria filosofia foi substancialmente enriquecida pelo progresso nas ciências concretas. Toda grande descoberta científica é ao mesmo tempo um passo em frente no desenvolvimento filosófico da visão de mundo e da metodologia. Afirmações filosóficas baseiam-se em conjuntos de fatos estudados pelas ciências e também no sistema de proposições, princípios, conceitos e leis. As conquistas das ciências especializadas são resumidas em afirmações filosóficas. Geometria euclidiana, a mecânica de Galileu e Newton, que influenciaram as mentes dos homens ao longo dos séculos, foram grandes conquistas da razão humana, que desempenhou um papel significativo na formação de visões de mundo e de metodologia. Uma revolução intelectual foi produzida pelo sistema heliocêntrico de Copérnico, que mudou toda a concepção da estrutura do universo, ou a teoria da evolução de Darwin, que teve um impacto profundo em ciências biológicas em geral e toda a nossa concepção do lugar do homem na natureza. O brilhante sistema de Mendeleiev de elementos químicos aprofundou a nossa compreensão da estrutura da matéria. A Teoria da relatividade de Einstein mudou a nossa noção da relação entre matéria, movimento, espaço e tempo. A mecânica quântica revelou até então o desconhecido mundo das micropartículas da matéria. A teoria da atividade nervosa superior evoluiu por Sechenov e Pavlov aprofundou a nossa compreensão das bases materiais da atividade mental, da consciência. A cibernética revelou novos horizontes para a compreensão dos fenômenos de interações de informação, os princípios de controle em sistemas vivos, em dispositivos tecnológicos e na sociedade, bem como os princípios de feedback, o sistema homem-máquina, e assim por diante. E os retratos filosóficos que foram apresentados a nós pela genética, que aprofundaram a nossa compreensão da relação entre o biológico e o social no homem, uma relação que revelou os mecanismos sutis de hereditariedade.

Se traçarmos toda a história da ciência natural e social, não podemos deixar de notar que os cientistas em suas pesquisas específicas, na construção de hipóteses e teorias têm constantemente aplicado, às vezes inconscientemente, visões de mundo e princípios metodológicos, categorias e sistemas lógicos evoluíram por filósofos e foram absorvidos pelos cientistas no processo de sua formação e autoeducação. Todos os cientistas que pensam em termos de teoria, constantemente falam sobre isso com um profundo sentimento de gratidão, tanto em suas obras quanto em conferências e congressos regionais e internacionais.

Algumas pessoas pensam que a ciência chegou a um tal nível de pensamento teórico que já não precisa de filosofia. Mas qualquer cientista, particularmente o teórico, sabe em seu coração, que sua atividade criativa está intimamente ligada com a filosofia e que, sem o conhecimento sério da cultura filosófica os resultados dessa atividade não podem se tornar teoricamente eficaz. Os mais destacados teóricos têm sido guiados pelo pensamento filosófico e tentaram inspirar os seus alunos com a sua influência benéfica, a fim de torná-los especialistas capazes de forma abrangente a analisar criticamente todos os princípios e sistemas conhecidos pela ciência, descobrindo suas contradições internas e superá-los por meio de novos conceitos. Os verdadeiros cientistas, e por isso, geralmente significa cientistas com um poderoso alcance teórico, nunca viraram as costas para a filosofia. O pensamento verdadeiramente científico é filosófico para o núcleo, assim como o pensamento filosófico verdadeiro é profundamente científico, enraizado na soma total das realizações científicas e da formação filosófica que dá ao cientista uma amplitude e penetração, um escopo mais amplo no levantamento e na resolução de problemas. Às vezes, essas qualidades são brilhantemente expressas, como nas amplas concepções científicas naturais de Einstein.

Assim, a relação entre filosofia e ciência é mútua e caracterizada pela sua cada vez mais profunda interação.

Quer ler mais sobre filosofiaciênciaeconomia e história? Acesse o maior portal de filosofia do país, A Filosofia!

Por: Caio Mariani | www.afilosofia.com.br | caio@afilosofia.com.br | Imagem: 3.bp.blogspot.com

filosofia | ciencia e filosofia | ciencia x filosofia | ciencia filosofica | filosofia da ciencia | filosofia cientista | ciencia filosofica | ciencia relação filosofia | ciencia com filosofia